O ICOMOS esteve no programa da TSF "Encontros com o Património".

 

 

Logo da Jornada sobre Património do Desporto em Portugal

O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios foi criado pelo ICOMOS (Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios) a 18 de Abril de 1982, tendo como objetivo sensibilizar os cidadãos para a diversidade e vulnerabilidade do Património.
Com a organização desta Jornada com o lema “O Património do Desporto em Portugal” a Direção Geral do Património Cultural e o ICOMOS-Portugal pretendem dar a conhecer o trabalho de diversos investigadores e entidades intimamente ligadas com o património do desporto nacional, nomeadamente as estratégias que estão a ser tomadas na preservação deste legado feito de eventos, pessoas, pequenos objetos e grandes arquiteturas.

Patromonio

 

O Congresso Ibero-Americano “Património, suas matérias e imatérias” a ocorrer em Lisboa, nas instalações do LNEC, nos dias 2 e 3 de novembro de 2016, procura criar o ambiente para a realização de diálogos cruzados entre investigadores, técnicos e especialistas, oriundos de diferentes áreas disciplinares, que estejam interessados em reflectir e discutir o Património Cultural nas suas componentes materiais e imateriais, incluindo as problemáticas socioculturais que lhe estão associadas.

O Congresso será uma organização do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC – www.lnec.pt/pt), do Centro em Rede de Investigação em Antropologia do Instituto Universitário de Lisboa (CRIA-IUL – http://cria.org.pt/site/) e o Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL (CEI-IUL – http://cei.iscte-iul.pt/en/).

 

 

Estadio 28 de Maio Braga96O tema de 2016 do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios celebrado pelo ICOMOS no dia 18 de Abril será: “O património do desporto”.

Foram recentemente divulgadas pela comunicação social notícias relacionadas com a descoberta de um importante contexto arqueológico de naufrágio no Sultanato de Omã, ao que se sabe um elemento relevante do património cultural português no mundo. A limitada intervenção do Estado neste processo é bem reveladora das lacunas existentes ao nível da gestão do nosso património arqueológico náutico e subaquático, sendo, no entanto, indiscutível o valor do mesmo, uma das mais importantes reservas patrimoniais nacionais, pedra basilar da nossa História colectiva e elemento identitário primordial. É um dado colectivamente aceite que as características do nosso território e as condicionantes muito próprias da História portuguesa determinaram a presença de um rico património arqueológico náutico e subaquático, o que impõe a existência de um serviço de âmbito nacional para a sua gestão.

No Dia 29 de Março realizou-se na Sociedade de Geografia de Lisboa o debate cívico Colina de Santana - existem alternativas, organizado pelo ICOMOS Portugal, ICOM Portugal, Secção de História da Medicina da Sociedade de Geografia de Lisboa e Núcleo de História da Medicina da Ordem dos Médicos. 

Consulte as intervenções de  José Aguiar, do ICOMOS Portugal e da Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, Maria João Torres, do ICOMOS Portugal, Maria Ramalho, do ICOMOS Portugal  Vítor Serrão, Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Coordenador do Instituto de História de Arte.