Da emergência do conceito de Património Mundial à criação do ICOMOS

 

Até finais do séc. XIX, o património arquitectónico era matéria de exclusiva preocupação nacional e a maioria da legislação respeitante à salvaguarda de edifícios históricos na Europa data dessa altura. Inúmeras associações existiam em cada país, mas o seu designío nunca ultrapassou as fronteiras nacionais. O Internacionalismo Cultural, tal como  o conhecemos hoje, foi resultado da 1ª. Guerra Mundial, com a criação da Liga das Nações, e depois da 2ª. Guerra Mundial, com a criação das Nações Unidas e a fundação  da UNESCO.

 

A Conferência de Atenas (em 1931) sobre o restauro de edifícios históricos foi organizada pelo Internacional Museums Office, e a Carta de Atenas, projecto de Le Corbusier apresentada à 4ª. Assembleia do Congresso Internacional da Arquitectura Moderna em 1933, foi publicada anonimamente em Paris em 1941. Representam um marco na evolução de ideias, porque reflectem um crescimento da consciencialização estre os especialistas de todo o mundo, e introduzem pela primeira vez na história o conceito de património internacional.

A Carta de Veneza nasceu da necessidade da criação de uma associação de especialistas em conservação e restauro, independente da já existente associação de museólogos, o ICOM.

Em 1957, em Paris, o 1º. Congresso de Arquitectos e Especialistas de Edifícios Históricos recomendava que os países que ainda não tivessem uma organização central para a protecção dos edifícios históricos, providenciassem a criação dessa autoridade, e, em nome da UNESCO, que os estados membros da UNESCO se juntassem no Internacional Centre for the Study of the Preservation and Restoration of Cultural Property (ICROM) sedeado em Roma.
O Segundo Congresso de Arquitectos e Especialistas de Edifícios Históricos, realizado em Veneza em 1964, adoptou 13 Resoluções, sendo a 1ª. a Carta Internacional do Restauro, conhecida por Carta de Veneza, e a 2ª., apadrinhada pela UNESCO, prevendo a criação do Conselho Internacional dos Munumentos e Sítios (ICOMOS).