farol

 

O ICOMOS actua nas áreas da conservação e da protecção dos sítios património cultural. É a única organização não-governamental global deste género que se dedica à promoção da teoria, metodologia e técnicas científicas para a conservação do património arquitectónico e arqueológico. O seu trabalho baseia-se nos princípios consagrados na “Carta Internacional para a Conservação e Restauro de Monumentos e Sítios” (Carta de Veneza, 1964).

O ICOMOS é também uma rede de especialistas que beneficiam da troca interdisciplinar incluindo-se, entre os seus membros, arquitectos, historiadores, historiadores de arte, arqueólogos, geógrafos, antropólogos, engenheiros e urbanistas.

Os membros do ICOMOS contribuem assim para a sensibilização e salvaguarda do património cultural, nomeadamente através do estabelecimento de normas e estudo de técnicas adaptadas a cada tipo de bem como edifícios, sítios arqueológicos, cidades históricas e paisagens culturais.

 

Irá decorrer no Palácio Fronteira, em Lisboa, no dia 19 de Junho de 2017, pelas 18:00, mais uma iniciativa promovida pelo "Fórum do Património 2017" com a participação do ICOMOS-Portugal: "A tutela jurisdicional na defesa do Património Cultural Construído".

Poderá consultar o programa no sítio do Fórum do Património.

Nos dias 22, 23 e 24 de Junho irá decorrer na Faculdade de Belas Artes de Lisboa um conjunto de iniciativas (Exposição, Colóquio e Workshop) com a designação geral de “1ªs Jornadas de Documentação e Representação Digital de Bens Culturais”.
Para mais informações e programa consultar a informação institucional ou site da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.

capa 61Foi editado  número 61 da revista Pedra & Cal, editada pelo GECoRPA, Grémio do Património.

Poderá consultar e fazer o download desta revista no sítio do GECoRPA.

DEscentraliz

As propostas legislativas governamentais destinadas a incorporar competências da área do Património Cultural nas Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) e Autarquias Locais representam uma ruptura o modelo jurídico e institucional existente em Portugal, consolidado desde 1980/1985 (criação do Instituto Português do Património Cultural e publicação da primeira Lei de Bases do Património Cultural) em respeito pelas convenções internacionais e boas práticas. Como tal, esta reforma requer maior conhecimento, reflexão e debate por parte técnicos e académicos do sector (e suas associações representativas) e, também, por parte dos cidadãos.

Foi neste âmbito que, no passado dia 15 de Março se realizou, no Centro Nacional de Cultura, um debate-sessão de esclarecimento cujo lema era: “O Património Cultural e a Descentralização”. Este evento foi promovido pelo “Fórum do Património 2017”, ICOMOS-Portugal e ICOM-Portugal, tendo contado com deputados e representantes dos Grupos Parlamentares com assento na Assembleia da República.

Na sequência desta sessão o ICOMOS-Portugal e o ICOM-Portugal redigiram o seguinte contributo que contou ainda com o apoio da Associação dos Arqueólogos Portugueses – consultar aqui.

rocha 2 Piscos web

O acto de vandalismo ocorrido na rocha nº 2 da Ribeira de Piscos situada no Parque Arqueológico do Côa - Património da Humanidade, surge na sequência da falta de resolução de diversos problemas que se arrastam desde que foi criada a Côa Parque — Fundação para a Salvaguarda e Valorização do Vale do Côa em 2011. Neste sentido, o ICOMOS–Portugal comunicou ao ICOMOS-Internacional e à Comissão Nacional da UNESCO o sucedido, bem como solicitou ao Exmº Senhor Ministro da Cultura que, com carácter de urgência, providencie a reposição da vigilância no Parque.

Na sequência destas iniciativas foi elaborado o Comunicado de Imprensa que pode, aqui, consultar.

(Uma iniciativa da DGPC com o apoio do ICOMOS-Portugal)

 

Consulte o programa no site da Direção Geral do Património Cultural.

Serralves 

 

Conversa Álvaro Siza - Visões da Alhambra | 18 Abril, 2017

19h00 - DEBATE "PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E INTERVENÇÃO CONTEMPORÂNEA”
Celebrando o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, em continuidade com os temas abordados pela exposição "Álvaro Siza Vieira: Visões da Alhambra”, a Fundação de Serralves apresenta uma conversa sobre património arquitetónico e intervenção contemporânea. Para esse efeito, estarão representadas várias instituições ligadas à promoção e conservação de edifícios e locais protegidos, debatendo os contextos históricos, pedagógicos e sociopolíticos com que lidam na sua atividade: da classificação da obra do arquiteto Álvaro Siza à (re)construção e gentrificação de territórios consolidados. A turistificação dos jardins da Alhambra, dos canais de Veneza ou das ruas do Porto, revela a arquitetura como grande mediadora das dialéticas urbanas e dinâmicas culturais que consideramos como Património da Humanidade.

A TSF dedicou o programa Encontros com o Património ao tema do "Património Cultural e Turismo Sustentável", como antecipação do Dia Mundial dos Monumentos e Sítios, 18 de Abril, onde, entre outros, participio Maria Ramalho, Presidente da Comissão Nacional Portuguesa do ICOMOS.

Pode ouvir o programa no site da TSF.

 

Outra iniciativa do COMOS-Portugal sobre o tema:

Porto 20 anos depois: Processo de Turistificação de uma cidade Património Mundial

Veja as comunicações no nosso canal do Youtube: